Innocence - Capítulo III

3 de junho de 2011


Aqui está o terceiro capítulo de Innocence. Um pouco atrasado, mas chegou! Enfim, espero que estejam curtindo, e comentem suas opiniões. Beijos e até o próximo capítulo! E para quem perdeu os outros capítulos, só dá uma passadinha nos posts antigos.


Capítulo Três – Anormal

Estava rumando para a escola. Papai me deixaria lá e seguiria para o trabalho. Eu estava mais animada e papai estava melhor também, ou tentava parecer melhor. Estávamos no carro. Papai dirigindo, eu no banco de trás acompanhada de Edward, que não parava de cutucar minha bolsa. Não sei se papai poderia ver o movimento de minha mochila, mas aquilo estava me deixando inquieta.

-Edward para com isso – Eu disse e papai se virou rapidamente, assim desviando sua vista um milésimo de segundo da pista.

-O que disse Bella? – Perguntou ele

-Nada pai, é que estou com um pouco de dor nas costas. Acho que dormi mal. – Tentei disfarçar e ele pareceu acreditar.

--Tudo bem – Disse ele e seguimos agora silenciosamente. Puxei minha mochila para meu colo, e Edward estreitou os olhos para mim, dei língua para ele. Estava ficando uma coisa chata.

Ao chegarmos lá dei um beijo em papai e entrei na escola, indo para minha classe, com um ser a mais do meu lado. Edward andava se espreguiçando, e às vezes passava por entre as pessoas, como um fantasma faria. Sorri para as bobagens que ele fazia. Além de sempre ser a estranha, agora eu era a mais anormal ainda. Saía sorrindo por aí, o que os outros pensavam que era loucura, era só o Edward me fazendo sorrir, tentando me alegrar. Entrei em minha sala, e logo os olhares estranhos foram voltados para mim, Edward ao meu lado, estreitava os olhos para todos que me olhavam de lado.

-Esses pirralhos não têm mais o que fazer? – Disse ele sentando no chão ao meu lado, quando sentei em minha cadeira. Coloquei minha mochila no chão e sussurrei para ele, o mais baixo possível.

-Fiquei quieto, e não chame minha atenção. Preferiria que você fosse embora e voltasse depois...

-Isabella – Chamou a professora, me levantei num salto, me assustando e derrubando um dos livros que estava em minha banca. Todos riram tudo que eu fazia era motivo de gozação. – Preste mais atenção Isabella, você anda muito dispersa – Disse ele parando em frente a minha banca.

-Desculpe professora – Eu disse pegando o livro do chão, e voltando a pegar minhas coisas na mochila.

A aula não podia estar mais tediosa. Era história, e ela estava agora, passando um trabalho que era para ser entregue daqui a uma semana. Ok, eu faria e entregaria a ela, ótimo. Edward não parava de andar pela sala, e isso estava me irritando muito. Às vezes ele ficava ao lado da professora, ao meu lado, ao lado das minhas “inimigas”, ou simplesmente sentava no meio da classe e ficava em posição de meditação, era engraçado, mas estava cansando.

Finalmente tinha soado a campainha para o intervalo, todos saíram da sala e fiquei com meu protetor na classe.

-Você não vai sair? – Perguntou ele sentando na banca ao lado da que eu estava.

-Não – Eu disse pegando minha maçã e comendo – Prefiro ficar aqui. Para que sair se não tenho com quem falar?

-Isso é muito chato, então ficarei conversando com você – Disse ele sorrindo, o que me fez sorrir também. Era bom estar na companhia dele, pelo menos um amigo. – Essa sua professora é muito chata, como você suporta ela?

-Tenho que suportar Edward. Você nunca foi para a escola? – Eu perguntei curiosa.

-Não. Pelo menos não que eu me lembre.

-Eu não entendo você. Você tem mãe? Pai? Irmã? Sei lá, algo parecido com isso? – Eu disse dando outra mordida, enquanto esperava a resposta dele. Ele fez uma cara de confusão, mas enfim respondeu.

-Eu tenho irmã, a Alice ela é uma anjinha também, qualquer dia pergunto se ela pode vir, para conhecer você – Disse ele sorrindo e fiquei animada com a ideia. – Bem, pai eu não tenho nem mãe. Fui criado nos campos, como todos os anjinhos, não temos pais definidos, é complicado de se explicar. São como se fôssemos todos irmãos, mas temos nossos definidos, como eu e Alice.

-AHH, eu continuo sem entender – Eu disse sorrindo sem graça e ele sorriu da minha cara confusa.

-Tudo bem com o tempo você entende. – Disse ele

-Tudo bem. Você não tem missões agora? – Perguntei e me levantei para jogar os restos da maçã no lixo.

-Tenho e estou cumprindo. Minha missão é cuidar de você, ser seu amigo – Disse ele sorrindo e vindo até onde eu estava. Olhou pelo vidro da porta e se virou para mim – Mas tenho coisas para acertar que não cumpro em plano terrestre.

-Ou seja, aqui? Onde eu vivo? – Perguntei ainda mais confusa

-Isso mesmo – Disse ele – São dois planos, o terrestre e o celeste, no qual eu moro. Tem coisas que só posso cumpri por lá, e coisas que só posso fazer aqui, também é complicado.

-Tudo em que você está é complicado, e isso é incrível! – Eu disse voltando a sentar em minha cadeira, e a campainha voltou a tocar, anunciando o final do intervalo – É melhor você ficar quieto e sem fazer gracinhas...

-Eu ficarei. Na verdade eu tentarei. – Disse ele sorrindo e voltando a sentar no chão ao meu lado.

As aulas finais foram mais divertidas. Edward permaneceu quieto, e às vezes ficava escrevendo coisas para mim em meu caderno, passando recados. Chegando perto da hora de ir embora, ele falou novamente.

-Tenho que ir – Disse ele em meu ouvido.

Escrevi uma resposta em meu caderno.

-Mas já?

-Vejo você depois, e levarei uma surpresa – Disse ele e desapareceu, me deixando curiosa e animada ao mesmo tempo.

Ao termino das aulas, fiquei esperando papai vir me buscar, mas já tinham se passado mais de meia hora, e nada. Até que um carro parou na frente do colégio, onde eu estava, e de repente fiquei surpreendida. Era minha tia Esme.

-Tia! – Gritei e saí correndo. Ela não tinha saído do carro, mas esperou eu entrar e me deu um forte abraço – Que saudades! – Eu disse

-Isabella, saudades de você também pequenina – Disse ela me dando um beijo na testa.

-Onde está o papai? – Perguntei e ela deu partida ao carro, rumando a minha casa.

-Seu pai não pode vir te buscar – Disse ela séria, olhando para mim. – Eu cheguei de Forks, faz um tempo e passei na sua casa, como você não estava pensei que ainda estivesse no colégio, e pelo jeito... – Disse ela sorrindo.

-O que aconteceu com o papai? – Perguntei curiosa, mas ela ficou em silêncio – Hein, tia? O que aconteceu com ele?

-Nada de muito grave Isabella, ele só bebeu demais e ficou passando mal, mas está bem no hospital.

-No hospital? Como assim? – Eu disse alterada, não podia perder meu pai agora.

-Ele precisou de assistência médica – Disse ela – Não se preocupe, ele está bem. Agora vamos para casa e você vai descansar, e se quiser depois podemos ir lá, se ele não voltar antes, ok?

-Podemos ir agora? Quero ver ele – Eu pedi com a carinha mais implorativa possível - Por favor? Prometo que será coisa rápida.

-Tudo bem, mas é rápido certo? Ele precisa de repouso. – Disse ela e fomos rumo ao hospital.

-Quem veio com você tia? – Perguntei

-Seu tio Carlisle, e o seus primos, mas creio que já foram embora, querida.

-Mas nem ficaram para falar comigo? – Eu disse tristonha

-Eles queriam ficar comigo, mas Carlisle não deixou, então... Outro dia eu os trago, ou você vai para lá, certo?

-Tudo bem – Eu disse e me encolhi no banco da frente. Chegamos ao hospital e logo fomos para o quarto onde papai estava. Entramos silenciosamente e logo me postei ao seu lado, ele estava meio grogue. – Pai – Eu disse acariciando sua face, ele pegou minha mão e fez um carinho – Você está bem? Machucado?

-Não Bela. Eu estou bem, só um pouco fraco, querida.

-Por que você foi beber de novo? Promete que não fará mais isso? – Perguntei olhando em seus olhos meio fechados.

-Prometo – Disse ele – Vem cá – Disse ele me puxando para cima da cama, me fazendo deitar com ele, e me deu um beijo na testa – Eu amo você filha.

-Eu te amo pai – Eu disse e me levantei.

-Precisamos ir Charlie – Disse tia Esme e pegou a mão do papai – Fiquei bem.

Mandei um beijo para ele, e saímos. Tia Esme me levou para casa, e preparou meu jantar enquanto eu tomava banho e me trocava. Quando eu já estava pronta e já ia descer Edward apareceu.

-Olá! – Disse ele me dando um susto.

-AIII! – Gritei e logo coloquei a mão na boca. – Isso é jeito de aparecer? Depois você vem agora vou comer. – Eu disse descendo e ele ficou lá no quarto, eu creio. Desci e tia Esme estava pondo a mesa.

-Com fome querida? – Perguntou ela puxando a cadeira para eu sentar.

-Muita – Eu disse e ela começou a me servir. Era lasanha, um de meus pratos favoritos. Ela me serviu e sentou-se ao meu lado também se servindo. Dei uma garfada e mastiguei lentamente, quando engoli falei – Vai dormir aqui?

-Claro Bella! Não posso deixar você sozinha – Disse ela cutucando a comida com o garfo – Vou ficar aqui até seu pai sair do hospital, como amanhã você não tem aula, se importa se ficar um pouco sozinha aqui?

-Não, tudo bem – Eu disse e voltei a comer.

-Tenho que ir à Forks, pegar umas roupas, já que não sei quanto tempo ficarei aqui, certo? – Concordei com a cabeça, já que estava com a boca cheia de comida. O resto do jantar foi silencioso e quando acabei fui para a pia lavar meu prato, mas Esme me interrompeu. – Deixe que eu cuide disso querida, vá descansar.

-Tudo bem então. – Eu disse deixando o prato na pia fui até ela e dei um beijo em seu rosto – Boa noite – Ela retribui e subi as escadas rumo ao meu quarto.

Cheguei lá nenhum movimento, me joguei na cama e fechei os olhos.

-Edward? – Perguntei para o nada e um sopro em meu pé me fez sorrir – Pensei que tinha ido embora – Eu disse me sentando e me deparando com ele sentado no chão em frente a minha cama.

-Fiquei esperando você aqui, quer dizer saí e voltei, mas tudo bem – Disse ele sorrindo e deitando no chão. – Algo de divertido para fazer hoje? – Perguntou ele ainda deitado no chão, desci da cama e me sentei ao seu lado.

-Hm nada, na verdade você disse que teria uma surpresa para mim hoje à noite, qual é? – Perguntei e de repente ele se levantou com tal rapidez.

-Esqueci. Vou buscar é rápido. – Disse ele e sumiu, fiquei ali sentada no chão esperando-o e em menos de três minutos ele havia retornado, com algo nas mãos.

-O que é isso? – Perguntei curiosa, quando ele sentou em minha frente.

-Esse é um livro especial para você.

-Especial de que forma? – Perguntei ainda não entendendo nada. Edward tirou o livro do embrulho, e me mostrou. Ele tinha uma capa, parecida com couro, e estava envelhecido.

-Esse livro é especial, por que serve como um álbum de fotografias, mas é mágico, vamos dizer assim... – Disse ele e me entregou.

Abri o grande livro, mas ele estava completamente em branco.

-Edward? Está em branco. Onde estão as fotografias? – Perguntei olhando para ele e para o livro.

-Eu lhe disse, é mágico. Coloque na segunda página, feche os olhos e imagine algum momento que você já tenha passado, com qualquer pessoa – Disse ele e eu fiz isso. Fechei meus olhos e veio em minha lembrança, um dos dias mais felizes de minha vida. Em minha mente estava eu, a mamãe e papai, em uma viagem que tínhamos feito, para passar uns dias em Forks, estávamos fazendo trilha, até que paramos em um riacho. Abri meus olhos e várias fotos de minha lembrança estavam estampadas nas páginas do livro.

Lágrimas começaram a cair de meus olhos, e escorriam por meu rosto. Passei meus dedos pela foto onde eu estava abraçada com a mamãe, e na qual papai estava abraçando a nós duas. Estávamos felizes ali, dava para ver, os sorrisos estampados.

-Como pode ser verdade? – Perguntei para Edward que estava me encarando. Limpei minhas lágrimas e sorri para ele. – Obrigada

-De nada Bella, era para você estar feliz... – Disse ele

-Mas estou, é que me lembrar da mamãe, me faz ficar fraca, não sei...

-Tudo bem. Agora me dê o livro – Disse ele. Fechei o livro e o abracei.

-Não. Ele é meu agora. Você me deu! – Eu disse assustada, com medo de não poder ter aquela sensação novamente.

-É seu Bella. Mas tenho que ficar com ele. Não posso deixa-lo com você. Assim nunca se afastará de suas lembranças. Isso é só para fazermos algumas vezes, quando a saudade é inevitável, quando você quiser, e eu achar necessário, o trarei novamente para você. – Disse ele e entreguei o livro de má vontade para ele.

-Acho bom você trazer mesmo. – Eu disse me levantando do chão e subindo na cama – Vou dormir você pode ir embora agora – Eu disse de cara feia e me virei de forma que ficasse de costas para Edward.

-Você quando quer, é muito teimosa Bella – Disse ele sentando-se em minha frente e tirando uma mecha de meu cabelo, tirei sua mão e ele ficou assustado. – Tudo bem, eu vou embora agora. Vejo você depois – Disse ele me cobrindo, e depois de um pequeno feixe de luz, ele sumiu, me deixando cair na inconsciência.




.