Innocence - capitulo 15

22 de novembro de 2011


Então era isso. Tínhamos passado o resto da madrugada conversando e ele me contou, como e o porquê dos anjos caírem. Era algo bem complicado. Os anjos caíam quando se apaixonavam verdadeiramente por uma mortal, era raro mesmo assim não impossível. Os anjos podiam se apaixonar entre eles, ou por mortais que era um caso mais ou menos proibido mas era inevitável. Mesmo assim os anjos apaixonados escolhiam se queriam ou não ficar com seu ou sua mortal. No caso de Edward ele escolheu ficar comigo, e eu não podia estar mais feliz. Não era algo como ele ficar em cima de um prédio e se jogar, em vez de seu brilho aparecer e desaparecer de repente em meu quarto, ele iria tocar a campainha daqui de casa e entrar, isso mesmo, ele se tornaria um mortal por mim.
–Entendeu como é? – Perguntou ele e concordei com a cabeça. – Quando eu for, pode ser que eu demore um pouco, mas não é porque desisti de você, isso nunca, é por causa de algumas coisas que irei resolver e ainda procurarei a hora certa para voltar.
–Qualquer hora está perfeita para você voltar para mim, Edward. – Eu disse me ajoelhando na cama e abraçando-o.
–Não se preocupe eu voltarei – Disse ele me abraçando também, mas depois de alguns minutos me afastou pelos ombros – Uma coisa que não pude deixar de não notar ontem quando voltei. – Disse ele meio sério, uma das sobrancelhas arqueadas – Você e Damen ontem a noite, estavam fazendo exatamente o que? Não pude deixar de reparar também que você estava praticamente nua – Disse ele encarando meu corpo. Corei e olhei para ele.
–Edward assim você me deixa sem graça – Eu disse colocando minhas mãos sob seu rosto e puxando para que ele pudesse me encarar. – Mas eu e Damen ontem, podemos dizer que estávamos querendo “apimentar” a relação? – Eu perguntei mais para mim do que para ele. Seu rosto tinha se tornado um puro ciúme. Edward me jogou na cama e no momento meus olhos se arregalaram pelo seu ato, logo eu estava deitada na cama, ele deitou por cima de mim, seus lábios em meu pescoço, percorrendo todo espaço possível, logo depois sua boca encontrou a minha em um beijo violento, possessivo.
–Você é minha, só minha – Disse ele me encarando os olhos famintos – Não pode se entregar para ninguém – Disse ele, passando suas mãos por meu corpo, sua boca devorando a minha novamente.
–Edward, eu sou sua, só sua – Eu disse rindo. Eu não aguentei explodi em uma gargalhada que eu acho que tinha acordado a casa toda, Edward tapou minha boca, abafando o meu riso.
–Posso saber o porquê da risada? Não posso tomar o que é meu? – Disse ele sentado em meu ventre. Devagar com medo que eu explodisse de novo ele tirou sua mão de minha boca e eu pude falar.
–Foi engraçado seu ataque de ciúmes, só isso meu amor – Eu disse puxando sua nuca e dando um leve beijo em seus lábios – Não vejo motivos para isso Edward, agora eu sou sua esqueceu? – Perguntei e ele negou com a cabeça, deitando-a em meu ombro, sua respiração em meu pescoço.
–Acho que alguém está descendo – Disse ele sentando-se na cama – Também, passamos um bom tempo conversando, já são oito horas de um domingo de chuva. Sério Bella, quando nos casarmos temos que ir para um local ensolarado – Como assim nos casarmos?
–O que Edward? Casarmo-nos? – Perguntei encarando-o com cara de idiota.
–Você acha que eu vou ficar de namorico com você? Quero você como minha esposa Bella – Disse ele sorrindo para mim, e pulei em cima dele cobrindo-o de beijos.
–Eu te amo seu anjinho sapeca – Eu disse em cima dele beijando sua boca tão convidativa.
–Eu te amo sua coisinha danada – Disse ele sorrindo – Agora eu vou indo. Quando tocarem três vezes na campainha vá você atender certo? – Disse ele ficando em pé e me levando junto.
–Por quê?
–Uma surpresa – Disse ele – Apenas não se esqueça disso, por favor.
–Não irei esquecer, pode deixar – Eu disse abraçando-o e beijando seus lábios.
–Logo estarei com você novamente – Disse ele e desapareceu, deixando sua luz em meu quarto.
AAAA eu não podia estar mais feliz do que nesse momento. Finalmente poderei ficar com Edward, todos sabendo. No momento em que ele foi embora Rose bateu na porta do quarto.
–Bella – Disse ela aparecendo na fresta da porta – Posso entrar?
–Claro Rose – Eu disse me endireitando na cama – Você quer alguma cosia?
–Escutei umas risadas, você estava fazendo o que? – Perguntou ela com uma cara interrogativa sentando-se na cama.
–Nada demais, besteira minha.
–Ah e também vim saber se é verdade. Você e Damen terminaram? Como assim? E Jasper disse que você estava gostando de outro garoto mas não disse a ele quem era.
–É verdade, ontem a gente deu um tempo na verdade, mas hoje eu vou lá a casa dele acabar tudo, não dá pra namorar um, pensando em outro Rose, e não contei nem vou contar quem é, vocês saberão, só esperar. – Eu disse sorrindo docemente para ela que me encarou com um ar de curiosidade.
–Tudo bem, eu esperarei apesar de estar morrendo de curiosidades, mas aposto que Jasper não terá toda essa paciência, você sabe como ele é – Disse ela balançando a cabeça e rindo, ri também afinal Jazz nõ me deixaria em paz até não saber.
–Dele eu cuido depois, agora vou tomar um banho e você pode me emprestar o seu carro? Só por algumas horas, só vou na casa do Damen e volto num instante – Eu disse me levantando e abraçando-a.
–Claro! As chaves estão onde sempre ficam, ok? Pode pegar, vou passar o dia em casa mesmo – Disse ela me abraçando também. Rose saiu do quarto e fui tomar banho, coisa rápida para não me demorar muito, queria ficar finalmente livre para quando Edward voltar eu ser completamente dele. Saí do banheiro cantarolando e logo vesti uma calça jeans, uma regata cinza e vesti uma jaqueta, já que estava o rotineiro frio daquela cidade. Calcei o tênis, peguei meus documentos, as chaves e fui rumo à casa de Damen, que não ficava tão longe assim, porém eu pretendia fazer umas comprinhas depois de lá. Logo mais cheguei e toquei na campainha. Ele atendeu com uma cara feliz.
–Oi Bella! – Disse ele me abraçando, retribuí.
–Olá Damen, precisamos conversar – Eu disse e ele fez sinal para que eu entrasse, mas logo me surpreendi, na sala, sentada no sofá estava uma linda garota. Deveria ter a minha idade, seus cabelos era loiros e bem lisos, não davam se quer uma volta, chegavam um pouco abaixo do meio de suas costas, e por incrível que pareça ela estava vestida com a blusa que Damen estava ontem a noite, e parecia que só estava com aquilo – Desculpe se interrompi alguma coisa – Eu disse sorrindo para a garota que sorriu afetuosamente para mim.
–Não Bella, creio que você veio falar sobre acabar, tudo bem, eu realmente iria mais tarde falar com você também, mas já que você veio deixe-me apresentar a você a garota que mudou minha vida da noite por dia – Disse ele se aproximando da menina e puxando-a fazendo ficar ao seu lado – Bella, essa é Ever, minha paixão – Disse ele beijando os lábios de Ever com carinho.
–Paixão Damen? – Eu disse rindo – Que bom que você encontrou alguém para você, eu realmente torcia para isso acontecer.
–Sabe Bella, você acredita em amor a primeira vista? – Perguntou ele apontando para a poltrona onde eu sentei. Concordei com a cabeça – Ok Bella, se você acredita irá se fascinar com essa história. Assim que saí de sua casa ontem a noite, estava totalmente desolado, desacreditado, pensando que tinha perdido a garota da minha vida, não sabendo que eu iria encontra-la logo depois na boate de Seattle, eu ia correndo com o carro e se não me engano passei por Rosalie e Jasper. Mas enfim, quando entrei lá e vi essa garota dançando na pista e quando os olhos dela encontraram com os meus, eu tinha encontrado meu mundo acredito. Eu agradeço a você Bella, por me ter feito ir para Seattle ontem a noite – Disse ele sorrindo e beijando a testa de Ever.
–Disponha – Eu sorri para eles dois que realmente pareciam apaixonados. Pelo menos ele estava feliz. – Como já estamos resolvidos, queria ser sua amiga, amiga dos dois claro – Eu disse me levantando e ajoelhando os Ever e Damen estavam estados – Que vocês sejam felizes – Eu disse, e acrescentei mentalmente “espero que Alice tenha acertado dessa vez”, mas ela apareceu ali na casa de Damen, sentada no colo dele.
–Dessa vez não foi preciso, estava previsto para acontecer – Disse ela sorrindo para mim e sorri surpresa para ela – Tô te esperando no carro, adoro fazer compras! – Disse ela desaparecendo, deixando seu rastro rosa claro.
–Tenho que ir gente – Eu disse me levantando – Foi um prazer Ever – Eu disse abraçando-a.
–Todo meu – Disse ela, e Damen me acompanhou até a porta, mas antes d’eu sair ele segurou minha mão afetuosamente.
–Espero também que você seja realmente feliz com quem está amando Bella, você pessoa maravilhosa, incrivelmente maravilhosa e não merece sofrer, me perdoa se alguma vez te fiz mal, não foi minha intenção.
–Não se preocupe – Eu disse segurando com força sua outra mão – Os momentos que passei com você foram maravilhosos, porém a parte do meu livro com você teve um fim, e que irá recomeçar de uma outra maneira, mas agora eu tenho que começar a reescrever outra parte com a pessoa que eu amo, e com certeza você nunca me magoou. Obrigada por tudo – Eu disse e ele deu um beijo em minha testa. Entrei no carro ainda mais feliz. Estava amiga do meu ex-namorado que já estava namorando uma garota que parecia ser a ideal par ele, meu amor estava a caminho de meus braços e eu estava no carro com minha cunhada doida.
–Bella! Você roubou meu irmão de mim – Disse ela emburrada e ao mesmo tempo sorrindo – Não acredito que o Edward está fazendo isso, é ser muito louco, deixar a vida celestial para se tornar um mortal.
–No amor tudo é possível Alice, queria ver se você se apaixonasse por um mortal o que você faria, aposto que a mesma coisa que ele fez por mim – Eu disse olhando-a de lado, não desviando minha atenção da estrada.
–Talvez sim, talvez não. Mas a questão é que estou feliz por ele e por você, ele está tão apaixonado e feliz que chega dá gosto de ver – Disse ela sorrindo. E eu sorria que nem uma boba, porque estava pensando em como seria com Edward ao meu lado, agora com todos vendo.
Cheguei em casa morta, estavam todos numa reunião na sala mas passei direto sem falar com ninguém carregando milhões de sacolas e levantando um braço para dizer que me esperassem. Joguei as cosias que tinha comprado com Alice em cima da cama. Blusas, calças, saias, vestidos, sapatos, lingeries afinal eu teria que fazer uma recepção para meu namorado quando ele chegasse. Meu Deus, que mente poluída a minha, enfim, depois das roupas fomos aos acessórios, colares, anéis e muita, muita maquiagem, não sei para que, mas de acordo com Alice, Edward gostava muito de sair. Não era a cara dele, mas já que a irmão foi quem disse... Troquei de roupa e fui para a sala, quando chego lá me surpreendo, era ele.
–Pai – Eu disse correndo ao seu encontro e abraçando-o com muita, mais muito força. – Quanta saudade de você Pai – Eu disse agora afastando-o e apalpando-o vendo se estava bem, inteiro – Você está bem? Saudável? Alimentando-se?
–Calma Bella – Disse ele sorrindo e beijando o topo de minha cabeça – Eu estou ótimo e fazendo tudo isso que você disse, mas olhe só para você, está a garota mais linda – Disse ele fazendo eu dar uma voltinha – Estava com muitas saudades de você querida – Disse ele abraçando-me mais um vez.
–Veio para dizer que eu posso voltar? E ficar com você? – Perguntei sorrindo para ele, mas logo ele fechou a cara. – O que foi pai?
–Infelizmente não vim para isso filha. Estava aqui contando o resto das coisas para Esme e Carlisle, os garotos já sabiam – Disse ele olhando para minha família que estava toda sentada, séria olhando para baixo, ou encarando a mim e ao meu pai. Olhei lentamente para cada um deles e voltei a encarar Charlie.
–O que houve que eu fui a única a não saber?
–Isabella eu fui preso, e ainda estou. Mas fiquei de condicional três dias para vir buscar umas coisas em casa e todas as vezes que nos víamos, ou quando você ligava para aquele número, não era um novo número, era o da penitenciária. Esme sempre me avisava quando você estava querendo me ver e sempre ajudava as minhas escapadinhas permitidas da cadeia. Sam e Paul fugiram e eu paguei por todas as coisas que eles fizeram e ainda fazer com certeza, você sabia mais que ninguém que eu não queria me envolver nisso mas fui um fraco, e além de está enjaulado naquele inferno, eu estou, podemos dizer, fazendo visitas em uma reabilitação, pois voltei ao vício das drogas e do álcool, algumas vezes na semana eu fico o dia inteiro na clínica, tentando me afastar novamente daquele pecado, eu vim aqui hoje para me despedir de você filha. E que eu nunca, nunca irei desistir de você. E quero que você seja feliz e acima de tudo nunca cometa os mesmo erros que eu. Ame a cada momento quem te ama, não deixe para depois, pois eu me arrependo de ter feito isso – Disse ele limpando as minhas lágrimas que saíam descontroladas e rolavam por meu rosto, me deixando vermelha, abracei meu pai, aquele que em momentos eu odiei, aquele que em momentos sofreu comigo, e aquele que em todo momento eu iria amar e nunca abandonar.
–E eu prometo pai, também nunca desistir de você. – Eu disse beijando seu rosto e abraçando-o. Olhei em seus olhos e corri para o meu quarto, onde me tranquei e caí com tudo em minha cama, onde eu passei a noite num vale de lágrimas.
Duas semanas tinham se passado desde que papai tinha vindo me visitar, e duas semanas e um dia tinham se passado desde que Edward diria que voltaria. Estava começando a pensar que ele tinha desistido de mim e tinha esquecido de me avisar. Eu já estava de férias do colégio, finalmente! Porém parecia ser legal, mas estava sendo um tédio, eu queria ter logo Edward, vê-lo mas ao que parece ele ainda iria demorar um pouco.
Tinha ido numa livraria e comprei quatro livros para passar o tempo. Estava estirada de bruços na cama, quando tocam a campainha. Tinha muita gente na casa, eles que fossem atender, mas tocaram novamente, deixei para lá. Tocou de novo. ERA EDWARD. Corri em disparada pela casa e Maria, a empregada já estava a caminho da porta.
–Deixa que eu atendo Maria, pode voltar para o seu trabalho – Eu disse sorrindo nervosa e ela voltou. Eu estava sozinha em casa, Rosalie e Jasper tinham ido passar dois dias na casa dos tios, e Esme e Carlisle estavam trabalhando. Respirei fundo e abri a porta. A MEU DEUS. – Edward! – Eu disse e abracei-o com força, ele sorriu e me abraçou com mais força ainda.
–Já estava pensando que eu tinha desistido de você? – Perguntou ele, seus lábios em meu ouvido.
–Não posso negar que pensei isso – Eu disse pondo minhas mãos em seu rosto e aproximando-o do meu. Ele sorriu e tomou minha boca na sua, num beijo cheio de saudade.
–Nunca iria te abandonar.
–Uma dúvida. Te beijei agora, mas eu realmente estou te beijando não é? Não é mais o nada?
–É, agora você me beija realmente.