Innocence - XX

22 de fevereiro de 2012




Algo de ruim iria acontecer, e era algo extremamente perigoso. Percebia-se que Edward e Jacob tinham certa rixa, tendo os prós, já que Jacob era do lado das trevas, e Edward do lado, podemos dizer da luz. Continuaram a se encarar, os dois corpos tensos, os rostos sérios e com uma expressão ligeiramente preocupada.
–Que tal entrarmos e resolvermos isso? – Aconselhei aproximando-me.
–Não! – Responderam os dois de uma vez, me retraí. – Bella vá para dentro, por favor, preciso conversar em particular com Jacob – Disse Edward sério me encarando, fui questionar, mas a cara dele me impediu. Fuzilei-o com os olhos e saí marchando para a casa. Fui para o que agora era o nosso quarto e fiquei na grande janela que dava para o jardim onde os dois conversavam, e pelo jeito a coisa era realmente séria. Às vezes Edward ia de um lado para o outro da entrada, as vezes era Jacob, eu já estava ficando tonta, então resolvi estudar um pouco, afinal faltavam algumas horas para o outro dia, e era exatamente no outro dia que eu teria as provas. Li reli, li reli, li reli, várias vezes os assuntos das matérias, sempre fazendo anotações quando necessário, já estava escuro. Levantei-me da mesinha e fui à janela, agora Jacob estava sentado na pequena escada da entrada enquanto Edward permanecia em pé, questionando e balançando a cabeça negando sempre. Comecei a ficar inquieta, já fazia mais de quatro horas que eles estavam lá, eu não conseguiria voltar a estudar, desci as escadas e fui até onde eles estavam.
–Ainda não terminaram essa conversa? Agora eu quero saber do que se trata tudo isso – Eu disse para os dois, que me encaravam.
–Bella, já pedi para que ficasse lá dentro.
–A questão é que já estou lá dentro faz mais de quatro horas, e nada de vocês acabarem por aqui, eu quero saber o que é de tão importante, tão sério. Vamos desembuchem! – Explodi. Os dois se olharam e finalmente Jacob começou a falar.
–Bem, acho que Edward já explicou a você a guerra que teve que separou o céu e o inferno – Disse ele parando e confirmei impaciente com a cabeça, afirmando que Edward já tinha me explicado. – Certo, então a balança que pende entre esses dois “mundos”, está totalmente desequilibrada, e se não pusermos um ponto final nisso, o mundo ficará empestado de demônios e junto com eles pestes, doenças e outras coisas más.
–Então o que vocês estão esperando? Uma coisa dessas e vocês perdendo tempo conversando aí.
–Não é assim tão simples Bella – Disse Edward com uma cara triste, o olhar baixo logo encontrou o meu.
–O que te impede Edward? – Perguntei já sabendo a resposta.
–Eu teria que voltar a ser um anjo, abriria mão de você, e não quero isso – Disse ele. Mas não dependia dele me querer, dependia do equilíbrio do mundo inteiro. Não posso só olhar para o meu bem estar. Aproximei-me dele e abracei sua cintura, beijando seu peito, e depois encontrando seu olhar.
–Amor, eu sei que isso é importante, mas não somos só nós que estamos em jogo, é todo o mundo Edward, e depois você voltaria para mim, sendo um anjo ou não, o que eu realmente quero é ter você – Disse colando nossos lábios, pouco me importava se Jacob estava ali, pouco me importava se eu poderia perder meu Edward mortal para sempre, com o tanto que ele estivesse comigo, tudo estaria bem.
–Mas eu tenho medo de perder você, não suportaria Bella – Seu rosto estava retorcido em dor. Abracei-o e ficamos naquele momento só nosso.
Depois de um tempo, Edward realmente tinha que se preparar. Então fui sozinha para casa de tia Esme, Rosalie e Jasper voltariam da viajem logo, e queria poder recepciona-los. Deixava-me com um aperto no coração, ter que deixar Edward, não podia negar que o egoísmo me consumia, o que eu na verdade queria era poder ir pra bem longe com Edward. Apenas eu e ele, sozinhos, longe de todos esses problemas. Mas seria impossível, Edward era um anjo caído, e precisando ele teria que retornar as suas reais raízes. E na verdade isso me doía, e muito.
A estrada como sempre estava calma, e não demorei muito para chegar em casa. O perigo terrestre tinha finalmente acabado, o maior inimigo, Sam, tinha sido morto, e agora eu estava livre em parte. Ninguém sabia as consequências da subida de Edward novamente, se era por ele ter caído por mim, ou por outros motivos. Mas esse pensamento me fez questionar várias coisas, se para cada anjo que tinha se apaixonado por uma mortal, o resultado fosse uma guerra entre céus e terras, o mundo já teria acabado a séculos, tudo bem que a divisão de céu e inferno tinha sido a muito, mais muito tempo atrás, mas mesmo assim, essa questão não tinha acabado.
Desci do carro a cabeça martelando, e quando ia entrando em casa, Carlisle e Esme já estavam saindo.
–Bella! Que bom que já chegou – Disse Esme com uma cara de cansada, afinal tinha trabalhado o resto do dia, e deveria ter vindo correndo para casa. Ela olhou ao meu redor, e para o carro – Onde está Edward? – Perguntou ela encontrando meu olhar.
E mais essa agora. O que eu diria a ela? Provavelmente não poderia dizer que haveria uma possível guerra entre mundos exotéricos, e que Edward era um anjo, que iria resolver esse pequeno problema. Pensei Bella, pense!
–Ele foi visitar a família, a mãe dele tem uma doença muito grave, e as vezes ela fica bastante frágil e tem recaídas, acabei de deixar ele no aeroporto, para pegar o próximo voo. – Disse abrindo um sorriso amarelo, com a minha história absurda. Tomara que eles acreditem. Pelo menos a cara deles foi de pêsames. Cada um deu um apertado abraço em mim, antes de saírem e dizer para eu tomar cuidado.
–Tem certeza de que não quer vir busca-los? – Perguntou Carlisle, neguei com a cabeça e eles partiram rumo ao aeroporto. Passei a chave na porta da frente e fui para a sala. Joguei-me no sofá, eram muitos problemas, e poucas pessoas para resolvê-los...
Eu estava nas nuvens, sentada olhando para uma porta aberta. Seu interior era escuro, um preto impenetrável, nada saía da porta, nem um feixe de luz. Permaneci sentada encarando a porta aberta, que de alguma forma me convidava para entrar, mas eu permanecia sentada, imóvel encarando-a. Ouvi passos atrás de mim, e quando me virei uma criança, vinha em minha direção, mas parecia não me ver, passou direto por mim, e caminhou lentamente até a porta, estiquei meu braço para tentar puxá-la para fora da escuridão mas ela adentrou convicta de que nada de sombrio se ocultava após a porta. Levantei-me, de alguma forma eu teria que salvá-la. Meu instinto era esse, de protegê-la. Andei ainda nervosa até a porta, e entrei em meio à escuridão. Não conseguia ver o que estava além de meus pés. Instantaneamente abri além do possível meus olhos, uma tentativa frustrada de tentar enxergar alguma coisa. Meus passos eram lentos e calculados. De repente um pequena faísca de luz, apareceu à uns 20 metros de mim, estreitei os olhos para poder enxergar melhor, quando pude perceber que era a criança, a menininha que tinha passado por mim. Aproximei-me, e quando cheguei a mais ou menos dois metros de distância dela, uma parede de vidro me impediu de passar. Soquei, chutei, mas de nada adiantava, a menina agora estava em fase de transformação, de uma forma estranha, ela estava crescendo e se modificando, seus cabelos ficaram bem curtos, sua cor foi para um moreno, e seus músculos ficaram bem definidos. Eu sabia em quem ela tinha se tornado. Jacob. Corri para o lado oposto, mas outra parede de vidro tinha me impedido. Voltei a encará-lo e agora ele andava em minha direção, como um animal que encurrala a presa. Jacob segurou meus pulsos, mas logo atrás dele uma nova luz se formava, era bem mais forte, e a forma se deu, demostrando Edward com suas asas, ele vinha convicto a me salvar, mas algo o segurou, alguém o segurou, eu não pude ver, estava tentando me desfazer do aperto de Jacob, que me levava para longe de Edward, que precisava da minha ajuda...
–Ah! – Acordei suada novamente. Minha respiração estava descompassada, fora do normal. Olhei ao redor, e ninguém tinha chegado ainda, a casa estava em completo silêncio. Eu tinha caído no sono, e aquele sonho estranho tinha retornado, e ainda mais confuso. Será mesmo que Edward estaria precisando da minha ajuda? Não, não seria possível, Jacob tinha pedido ajuda a ele, e não poderia ser injusto com Edward, eles iriam trabalhar juntos agora. Mas, como não desconfiar de alguém que é da prole do demônio? Eu estava ficando paranoica, Edward estava em segurança, era nisso que eu tinha que crer.
No momento em que me levantei, pude escutar as vozes de Rosalie e Jasper, tinham acabado de chegar. Ao passarem pela porta, me viram estática, ainda banhada de suor, a camisa molhada, olhando para eles com um sorriso.
–Bella!! – Gritou Jasper, vindo correndo para me dar um abraço, daqueles de urso. – Ai que saudade de você baixinha. Nossa você está toda suada! Foi correr? – Perguntou ele olhando para meu rosto, passando sua mão por ele, desfazendo a linha de suor que escapava cair.
–Aham, fui fazer uma caminhada, estava meio parada as coisas aqui – Eu disse sorrindo e abraçando-o novamente – Estava com saudades.
–Aw bebê, eu também estava, trouxe coisas para você, e eu e Rosalie, queremos saber do seu novo namorado, eu não o conheço ainda, então não tem total aprovação, certo pai? – Perguntou Jasper olhando para Carlisle que estava sentado no sofá rindo da cena. Desfiz-me de Jasper e fui dar um abraço apertado em Rosalie, que estava bem vermelhinha por causa do sol, em sua pele branca.
–Como você está Rose? Estava com saudades, e tenho muitas, muitas coisas para contar – Disse fazendo uma cara maliciosa e ela abriu a boca em um “o” de surpresa.
–Uou Bellita! Vamos, vamos subir! Tenho que contar muitas coisas também, e te entregar várias coisas que comprei. – Disse ela me puxando por um braço, enquanto nós duas carregávamos as dezenas de malas para cima... O resto do dia seria de muita conversa.
Edward POV
Abri lentamente meus olhos para a mal iluminação. Minha cabeça latejava, rodava de tanta dor. Eu sabia que toda aquela história do Jacob era alguma coisa envolvida com armação. Mas eu não poderia arriscar a vida de tantas pessoas. E se o que ele dissesse fosse realmente verdade? Mas agora eu podia ver, e sentir que nada daquilo era verdade, era tudo uma armadilha.
Assim que saímos de casa, eu e Jacob, deixando Bella para trás, tudo parecia normal, parecia uma missão, mas não era bem isso. Após algumas horas, encontramos alguns dos outros anjos que estavam com Jacob e eu fui o alvo. Várias pancadas me atingiram na cabeça, até que a luz de um deles envolveu a todos, nos levando para outra dimensão. E aqui estou eu, vulnerável, completamente sozinho e morrendo de aflição por Bella.
–Ora ora, o que temos aqui anjinho Edward? Quer dizer... mortal Edward, o que significa ainda mais fraco contra mim, o que significa que posso acabar sem você ter ao menos tempo de reagir. Que tosco Edward, perder várias manhas por uma garotinha, por uma Bella. Mas, agora tudo o que você tinha foi perdido, e tudo que você conseguiu até agora, será perdido, por que assim que eu acabar com você, eu e mais um grande amigo, vamos correndo para a Isabella, dizendo que você não teve chances, dizendo que nós fizemos tudo para te ajudar, mas não foi possível. – Disse Jacob andando de um lado para o outro em minha frente, balançando seus braços, encenando.
–E quem seria esse seu amigo? – Perguntei. Meus braços estavam amarrados, assim como minhas pernas, e uma corda estava amarrando-me a cadeira.
–Esse você conhece muito bem. Vou te dar alguma dicas. Você, não gostava muito dele, ele é moreno, passou três anos com a sua garota, hmm... Acho que você já juntou 2+2 não é mesmo? – Disse ele irônico. Não podia ser.
–Damen? - Era mais uma pergunta para mim, do que para Jacob. Não posso acreditar.
–Como você foi rápido Edward – Disse uma terceira voz. A voz de Damen, saindo da escuridão, até ele mesmo para agachado em minha frente. – Como vai Edward? Faz um tempo que a gente não se fala não é mesmo? Opa, a gente nunca se falou, mas eu sabia de tudo sobre você, até mesmo que você existia, ficava ali, ao da Bella, falando, falando, falando. AH! Poupe-me Edward, que coisa mais ridícula, apaixonar-se por uma mortal.
–Não sou você, não fui amaldiçoado por atração. Tenho sentimentos ao contrário de você. – Arrisquei dizer.
–Calado! – Gritou ele chutando a cadeira. Virou as costas para mim, puxando Jacob para um canto, suas vozes eram muito baixas, inaudível. Os anjos, da prole do demônio, ao caírem na guerra e virarem seguidores das trevas, foram amaldiçoados, por terem traído os céus. A maldição da atração, é parceira dos anjos-demônios, o que fazer eles terem relações com qualquer mortal, fazendo-os apenas de brinquedos, e até tendo relações sexuais, dando origem aos nefilins, que tem origem humana e metade anjo. Muitas das mortais que dão origem a seres nefilins não sabem, pois nunca desconfiariam de lendas de milhões de anos, e de anjos caídos da guerra realmente poderiam apossar seus corpos. – Então, Edward vamos começar a brincadeira – Disse Damen, postando-se atrás de mim.
–O que você pretende fazer comigo?
–Simplesmente matar, mas quero dar emoção a isso tudo, com um pouco de tortura, um pouco de diversão, para a minha parte é claro.
A única coisa que eu poderia fazer era aceitar, e rezar para que alguém escutasse minhas preces e me tirasse desse pedaço de inferno.