Innocence - XXI

7 de março de 2012



Eles estavam com toda certeza tramando a minha morte. Pense Edward, pense. Mas não tinha como pensar, não tinha saída, não tinha como gritar e pedir ajuda, dessa vez, realmente tinha chegado meu trágico fim.
Tentei de alguma forma me soltar, mas era inútil, minhas forças pareciam ter se esvaído completamente. Pelo silêncio que eles faziam, pude perceber que tinham resolvido o que fazer e Damen estava, agora vindo em minha direção.
–Então, mortalzinho, tivemos uma grande, maravilhosa ideia. – Pude perceber que sua voz estava ainda mais sombria, coisa boa naquela situação, não podia ser. Jacob não estava ao seu lado. – Resolvemos trazer mais uma pessoinha para a diversão ficar melhor – Disse ele andando em minha frente. Subitamente ele parou, encarando meu olhar, então sua mão segurou meu dedo indicador, com força além do normal – Aposto que você já usou eles em Bella, não é? Aparecendo bem no momento em que eu ia tê-la, você fez disso uma diversão ainda maior para mim Edward, deveria ter ficado de fora, como tinha deixado ela por quase três anos, eu estava cuidando ela, e no momento em que eu ia possuí-la você aparece – Disse ele empurrando meu dedo para trás. Meu indicador estava prestes a tocar meu pulso quando, a dor ainda mais insuportável se tornou imensa. Ele tinha quebrado meu dedo. Urrei de dor, aquilo parecia dar ainda mais emoção aquilo tudo. – Isso é só o começo, quando eu quebrar todos os seus dedinho anjinho, irei para seus pés, cada coisa em seu momento Edward.
A dor estava tomando conta de todo meu sistema, ele poderia falar tudo, mas se um dedo causava aquela terrível dor, não poderia estar mais angustiado por todos meu corpo. Mas eu ainda estava com uma dúvida. Damen agora mexia em algo, num armário em minha frente, ele estava de costas, quando chamei sua atenção.
–Damen – Forcei para projetar minha voz. Ele se virou com desdém – Como você conseguiu? Como eu não pude saber que você era um anjo? Você não era mortal...
–Edward, ser um anjinho comum, dos céus como você não tem a mínima graça, vocês para se tornarem visíveis além de seus protegidos, tem que se tornar mortal, nós anjos das trevas, temos umas gracinhas a mais. – Damen sorriu e voltou-se para seu trabalho à procura de alguma coisa no armário. – AH! Achei! – Gritou ele animado virando-se para mim com alicate. Ele estava louco.
–O que vai fazer agora? Arrancar meus dentes um por um? – Perguntei desesperado.
–Hmm – Soltou ele andando em volta de minha cadeira – Até que não seria má ideia, sempre quis dar uma de dentista, mas não é isso que irei fazer, tenho coisas muito importantes para fazer – Disse Damen, descendo o alicate em minha cabeça, fazendo-me entrar em profunda escuridão, e sentir uma listra de sangue escorrer por meu rosto.
POV Bella
–E como é esse Edward? – Perguntou Rosalie assim que entramos em seu quarto. Ela foi logo colocando as malas deitadas sob o chão para podermos ver o que de tão bom ela tinha trazido – Alto, forte, moreno, loiro? Gostoso?
–Calma Rose, ele tem um tom bronze estranho e parece ser totalmente único nos cabelos, e é... Meu Edward – Eu disse já entrando em total inconsciência só de pensar nele, mas logo uma onde de tensão tomou conta do meu corpo, ele estava correndo perigo, ou poderia estar.
–Pelo jeito ele é maravilhoso, não vejo a hora de conhecê-lo – Disse ela colocando várias roupas na cama, de calças e blusas, a peças intímas minúsculas – Algumas dessas são para você, já que começou um relacionamento sério, e sim! Vocês transaram? Não creio, Bella com essa cara de santinha – Disse ele cutucando meu flanco com um sorriso malicioso nos lábios.
–Pode ser que eu vá querer algumas dessas. E sim, tivemos nossa primeira noite de amor, e foi perfeita, na verdade não foi noite, foi manhã de amor – Eu disse rindo.
–Hmm safada. Ele virá hoje à noite? – Perguntou ela e neguei lentamente com a cabeça. – Por quê?
–Ele teve que ir visitar a mãe doente.
–Ahh que pena. – Disse ela meio frustrada e sentou-se ao meu lado – Deixe eu te contar da viajem! Foi M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A! – Ela se preocupou em deixar a palavra bem soletrada – Sério, você precisa visitar o Brasil, é ótimo, e antes de ir para lá, você necessita dar uma passada Miami. No Brasil, os lugares são lindos, praias de morrer, e uns carinhas deliciosos também, devo confessar a você que peguei alguns – Disse ele se aproximando mais de mim, para falar isso, como se alguém pudesse nos escutar, a famosa frase “As paredes tem ouvidos”. – E Em Miami, nada a comentar, é simplesmente um pedaço do paraíso, lindo de morrer.
–Com certeza depois de sua dica, eu irei dar passada por lá. De preferência com Edward - Eu disse sorrindo e ela fez uma careta.
–Como você irá aproveitar os gatos, se terá um no seu encalço? AH Bella, pera né, você vai comigo. – Disse ela deitando na cama rindo ainda mais.
–Ai ai Rose, e Jasper agarrou alguma menina por lá? Ou só tem garotos lindos?
–Aff, o Jasper é um frouxo, um saco esse garoto, a gente não podia ficar mais de meia hora em cada lugar, em vez de ele querer conhecer de tudo um pouco, queria ficar enfurnado em casa, não saio mais com ele, tivemos diversas brigas, por causa dessa isolação toda dele. Vou até falar com mamãe pra mandar ele para um psicólogo – Disse Rosalie indo até a porta, de onde veio três batidas. Era Jasper – Ah é você... – Disse Rose, dando espaço para que ele entrasse no quarto, ele realmente estava bastante estranho, uma carinha super cabisbaixa. Puxei-o para sentar ao meu lado.
–O que houve com você, está tão tristinho – Eu disse puxando carinhosamente uma de suas bochechas. Ele se deitou na cama, apoiando a cabeça em meu colo. Alguma coisa o incomodava por baixo, então de lá ele puxou uma calcinha minúscula e ficou com ela entre os dedos, me encarando.
–Você não vai usar isso com o tal Edward não é? – Perguntou ele, me olhando feio. Rose veio até nós e puxou a calcinha das mãos de Jazz.
–Com ele, ela não precisa usar nada, querido irmão – Disse Rose revirando os olhos. Olhei feio para Rose, que olhou sorrindo para o irmão, que Jazz olhou feio para mim.
–Rose, por favor. A questão aqui Jasper, é que estamos preocupadas com você, Rose disse que você foi um chato a viajem inteira, o que houve? – Perguntei acariciando seus cachos louros.
–Não é nada gente, vocês estão se preocupando à toa – Mas eu sabia que alguma coisa estava acontecendo e mais tarde iria averiguar.
–Ok ok, Jazz se você não quer contar ótimo, mas eu e Bellita temos assuntos para tratar, um exemplo é como foi com o Edward, Bella.
–Como foi o que? – Perguntou Jasper levantando-se rapidamente. Fiz a maior cara de culpada – Vai me dizer que vocês já transaram? Bella, não acredito nisso, não faz nem um mês que estão juntos – Alterou-se ele, praticamente gritando. – Não posso acreditar Bella, você é assim tão fácil?
–Jasper, pare de dar uma de irmão chato, ok? Bella é bem grandinha, sabe o que faz.
–Ok, mas depois não dê uma de Rosalie – Disse ele e saiu do quarto. Não entendi, sobre dá uma de Rosalie, mas parece que isso à afetou, ela congelou no lugar.
–Rose, o que ele quis dizer com isso? – Perguntei, mas ela ficou parada no lugar, encarando o nada, e de repente uma lágrima ameaçou cair de seus olhos, levantei-me e fui até ela, limpando a lágrima que tinha escorrido. – O que houve Rose?
–Ah Bella – Disse ela em meio à lágrimas, me abraçando. Abracei-a e afaguei carinhosamente suas costas – Ele não devia ter feito isso, eu vou matar esse garoto. – Disse ela se desfazendo de meu abraço. Apesar de ter o dobro da minha altura consegui segurá-la, até eu trancar a porta e guardar a chave em meu bolso.
–Primeiro você vai me contar, o que houve. – Eu disse bloqueando a porta recém trancada. Sem ter o que fazer, a não ser me contar o que tinha acontecido, ela se sentou derrotada na cama.
–Eu abortei.
–O QUE? COMO ASSIM ROSE? – Eu disse assustada, atordoada, completamente desacreditada, do que meus ouvidos tinham acabado de escutar. – Como assim? Abortei?
–É, Bella. Abortei quando estava no Brasil, o único que soube por pura falta de sorte minha foi Jasper, por isso o motivo de muitas brigas entre a gente, minha prima me ajudou, eles são os únicos que sabem.
–Por que você decidiu abortar? Tirar uma vida Rosalie, como você pode fazer isso? – Perguntei. Estava parada em sua frente, séria e quase chorando também.
–Você não sabe o quanto me arrependo, mas foi tudo tão rápido, eu fiquei com medo, muito medo Bella. Medo da mamãe e do papai, de repreenderem, eu nem sabia quem era o pai – Disse ela chorando ainda mais, e fiquei ainda mais atordoada.
–Meu Deus Rose, mas você pretende contar?
–Claro que não, não era nem para o Jasper saber, acho que é por isso que ele está todo estranho. Eu ainda tenho medo, do que ele possa fazer, Bella. Fala com ele, por favor Bella.
–Eu vou Rose, não prometo nada, o que você fez foi tão errado, mas te entendo. Por mim, não contarei nada, vou conversar com o Jasper – Levantei-me, abri a porta, deixando a chave na mesma, e me direcionei para o quarto do Jasper que ficava no final do corredor. Dei três batidas na porta, e minutos depois, ele abriu a porta, o bastante para que eu passasse. O quarto de Jasper, era o típico, quase Emo, cortinas pretas, as paredes eram de um tom azul muito escuro, quase preto.
–Venho me contar suas experiências sexuais com Edward? – Disse ele sério, sorri e cutuquei sua barriga – Estou brincando, é bom estar em casa novamente, mas essa viajem foi horrível para mim, preferiria ter ficado aqui com você e ver esse tal marmanjo que está roubando minha maninha de mim.
–Deixe disso, sempre serei sua irmãzinha, mas não pode ter crises de ciúme, você vai ficar amigo do Edward, aposto.
–Falando nele, onde ele está?
–Hmm, teve que ir visitar a mãe que está doente, foi hoje à tarde.
–Ah.
–Queria conversar com você, sei que tem alguma coisa nessa sua cabeça, que está te fazendo mal.
–A Rose te disse o que ela fez no Brasil? Estou quase contando aos pais dela que são médicos – Disse ele sério, andando pelo quarto, arrumando suas coisas enquanto eu sentava em sua cama.
–Não faça isso, pense no quanto ela irá sofrer. Por favor Jasper, ela um dia vai contar, espere.
–Não acho isso certo, mas darei um tempo para ela. – Disse ele me encarando. – Mas tem uma coisa que está me deixando abalado e não é isso.
– O que é então? Você sabe que pode me contar tudo que está te imcomodando.
–Você vai me chamar de louco, de viajado, e talvez de drogado, e vou entender, mas é que... – Falou ele, mas parou. Agitei a mão, incentivando-o a continuar – Eu... Descobri que tenho um anjo da guarda, e é uma garota. Bella, me deixa explicar primeiro, eu não sei como a vi, ela vem fala comigo, meu Deus em pleno dezessete anos eu estou ficando louco? Bella... Você está rindo? – Perguntou ele, mas não consegui aguentar, eu tive que rir, era cômico demais toda essa situação.
–Desculpe-me Jasper, mas... – Não consegui continuar, só de lembrar em Edward nas primeiras noites dos meus dez anos, quando ele apareceu, eu ri novamente. – Acho que recuperei o fôlego. Um dia ele, ou ela teria que aparecer Jasper.
–Você sabia? Você tem um? Como?
–O meu apareceu assim que mamãe morreu alguns dias depois, ele era o anjo da guarda dela, mas depois se tornou meu, acho que posso contar já que a sua anjinha apareceu para você e você está me contando.
–Que loucura, pensei que fosse o único. Mas não é só isso... – Disse ele apreensivo, sentando-se ao meu lado.
–O que mais?
–Acho que estou apaixonado por ela – Disse ele. As coisas começaram a piorar.
–Hum, aí complica. Por curiosidade, qual é o nome dela?
–Promete que não conta pra ninguém – Concordei com a cabeça. – O nome dela é Alice.
– O QUE? MENTIRA! Como ela é? – Poderia ter várias Alices no céu.
–Por que você conhece ela?
–Me diga como ela é! – Disse me levantando
–Baixinha, sempre usa rosa, e tem os cabelos curtos, que apontam para todos os lados.
–Não acredito! Pensei que ela era um cupido!
–Meu Deus, você conhece ela! Ela me contou que era um cupido, como você conhece ela?
–Simples assim! Ela é minha cunhadinha, não é Bella? Afinal de contas onde está o Edward? Faz tempo que não o vejo! – Disse uma terceira voz no quarto. Alice tinha se empoleirado em cima da escrivaninha de vidro do quarto de Jasper.
–Espera aí! Você, Alice é irmã do Edward, que é namorado da Bella? Então você pode ter irmãos humanos? E até que parte da conversa você escutou?
–Acabei de chegar! E Edward era um anjo Jasper, ele virou mortal pela Bella, esse namorado da Bella, é seu antigo protetor.
–Ohh isso é bem chocante.
–Eu não podia contar Jasper. Mas Alice, como assim você não viu Edward, ele disse que aquela história voltaria a se repetir... – De repente ela paralisou.
–Quem veio buscar ele? Ele não me avisou nada.
–O Jacob.
–Não pode ser, meu Deus, era uma mentira Bella, nada vai voltar a acontecer, o tratado entre os mundos foi completamente selado, nenhuma revolução pode acontece enquanto esse tratado estiver intacto, ai, eles vão fazer algum mal ao Edward! – Gritou ela desaparecendo, seu brilho rasa claro sumindo, deixando um rastro pelo quarto. Agora eu estava paralisada, completamente imóvel sob a cama. Edward corria perigo.
...
Eu estava em completa agonia, já era de dia, um dia sem Edward ter aparecido, nem notícias de Alice. Eu não tinha dormido nada, fiquei o resto da noite em claro para ver se teria mais alguma notícia dele, eu não podia recorrer mais a ninguém, Jasper não podia me ajudar. Estava cedo ainda, o sol ainda estava nascendo lentamente no horizonte. Peguei as chaves do carro, e saí silenciosamente de casa, rumo à casa de Edward, não tinha muita certeza, mas algo me dizia que eu indo para lá poderia ter alguma notícia do meu Edward. Como não fui perceber? Como ele não percebeu? Jacob era das trevas, da prole do demônio, não se podia confiar em gente desse lado da história. Corri com o carro no acima do limite da estrada, assim chegando ainda mais rápido a casa, que estava tão silenciosa quanto eu tinha saído no dia anterior. Estacionei o carro e desci rapidamente, subindo os degraus que davam à porta de entrada, ao abri-la, silêncio total, nada além do som dos passarinhos. Fechei a porta atrás de mim, e andei até a sala, quando um vulto muito rápido passou por mim. Virei-me de costas, pronta para sair da casa, quando me deparo com aquela figura que a tanto tempo não via, bloqueando a saída.
–Damen? O que faz aqui? – Perguntei não entendendo nada, Damen nem sabia da existência de Edward, quanto mais onde ele morava. O encarei desconfiada, e ele soltou um de seus risinhos sedutores, mas esse jogo não dava mais para mim.
–Procurando o namoradinho? Edward? O anjinhos, tolo que se tornou mortal por você. O anjinho tolo que caiu em uma das minhas armadilhas, o anjinho idiota que ficava ao seu lado, que naquele dia em La Push, você jurava que eu não o tinha visto quando você saiu do quarto, ou quando estávamos quase transando, e aquela luzinha repugnante apareceu estragando tudo, você pensou mesmo Bella, que eu era aquele idiota, que você chutou, por causa de um anjinho do céu? – Disse ele recostando-se na porta, cruzando seus musculosos braços morenos. Despreocupado, dando suas risadinhas ridículas.
–O que você é afinal? Damen, onde está o Edward? – Perguntei séria, não deixando o medo se apossar de meus membros, sempre dizem que quando a presa está com medo o predador sente o cheiro do medo, nesse caso eu era a presa, Damen era o predador, e com certeza ele faria alguma coisa comigo, só para machucar ainda mais Edward – O que você fez com ele Damen? E o que exatamente você é?
–Querida Bella, sou bem melhor do que o seu namoradinho, que a essa hora está bem amarrado, com um dedinho quebrado, e possivelmente uma fratura craniana, não, não tão grave assim querida, relaxe. – Fiquei chocada com o que ele tinha dito, ele estava torturando Edward, mas para que?
–Por que você está fazendo isso com ele? O que ele te fez? – Perguntei horrorizada. Damen rapidamente se pôs ao meu lado, segurando meu braço com força – Está me machucando – Chiei, mas ele ignorou.
–Machucar? Ainda irei fazer isso querida, pode acreditar. – Disse ele nos cobrindo com uma escura fumaça, e fazendo-nos ir para provavelmente outra diamensão.